Café com Cidadania aborda as violências causadas pelo Bullying

6


 


 



 


 


 


O Bullying nos laços familiares e nas instituições foi o tema da quinta edição do ciclo de palestras Café com Cidadania. O evento aconteceu no último sábado (3) e contou com a palestra “A violência e o Bullying” da professora, Maria José Rolim, apresentação musical da Orquestra de Realejo do Sesc Centro, sob a condução do músico Rodrigo Bz, e com um delicioso lanche servido aos participantes.


 


A ação é uma iniciativa da Fundação Sintaf em parceria com Secretaria da Fazenda (Sefaz), Sindicato dos Fazendários (Sintaf), Associação dos Aposentados Fazendários (AAFEC), Caixa de Assistência dos Servidores Fazendários Estaduais (Cafaz) e Ong Velaumar. 


 


Estiveram presentes, na ocasião, fazendários, como Carlos Eduardo Marino e Saulo Toscano, moradores da comunidade do Poço da Draga, crianças e adolescentes do Projeto Atitude Atletas e integrantes do grupo de dança Cumade Maria Bonita.  Marcaram presença, também, os componentes da equipe do ProSocial: as fazendárias, Joelina Barros, Susie Marino, Yolita Sá e Valéria Brasil, e as colaboradoras do projeto, Lândia Oilveira e Daysiane Sousa. 


 


Bullying


 


Dando início à manhã de atividades do Café com Cidadania, a Orquestra de Realejo do Sesc Centro encantou a todos com interpretando canções da Música Popular Brasileira. Em seguida, a professora, Maria José Rolim, proferiu palestra sobre o assunto que foi tema de sua tese de doutorado, “A violência e o Bullying”.   


 


Maria iniciou sua exposição esclarecendo que bullying são atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetitivos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos com intenção de intimidar ou agredir a outro, considerado como incapaz de se defender. 


 


A partir dessa definição, a professora falou acerca dos tipos de bullying e das consequências que este tipo de violência provoca na vida das pessoas que são agredidas. Dentre os tipos de bullying estão o bullying direto e indireto que se manifestam na família, em instituições, na internet e de forma simbólica, por meio de manifestações preconceituosas, como o racismo, a homofobia e xenofobia, por exemplo. 


 


De acordo com Maria, as pessoas, às vezes, não têm conhecimento que estão praticando bullying, que está previsto na Lei nº 14.943. “Elas acham que é apenas uma brincadeira e não percebem que estão excluindo a pessoa que estão agredindo”, explica a professora que ainda afirma que muitos casos de dependência química e problemas psicológicos são decorrentes de agressões como o bullying.


 


Maria fala que é fundamental que as pessoas se conscientizem que o bullying é uma violência grave que pode influir na vida inteira de uma pessoa. Segundo ela, os casos de bullying institucional e cyber-bullying  são o que causam tragédias como o suicídio de pessoas. “Quando uma pessoa tem uma qualidade que se destaca, o agressor a transforma em algo ruim por inveja, por exemplo, e destrói, assim, a autoconfiança de quem é agredido”, conclui a professora.


 


Para a moradora da comunidade do Poço da Draga e presidente da Ong Velaumar, Luiza de Marilac, a palestra foi bastante instrutiva e esclarecedora, já que ela não conhecia quais os tipos de violência que podem ser consideradas bullying. “Agora já sei como vou me defender caso aconteça novamente comigo”, comenta ela. 


 


O Café com Cidadania é um ciclo de palestras realizado no último sábado de cada mês. Nesta edição, excepcionalmente, o evento aconteceu no início do mês devido à realização da Semana do Fazendário no dia 26 de setembro. 


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here